Análise – Videojogo – MotoGP 18

Mais um ano, mais um MotoGP, pessoalmente não acompanho a franquia apesar de já ter tido vontade de entrar na mesma umas quantas vezes. Ter tido a oportunidade de andar de volta deste MotoGP 18 podia ter sido algo fenomenal, mas, infelizmente não é o caso.

A Milestone dá-me a ideia de ser uma empresa que quando lança algo novo tenta mostrar algum esforço para talvez ver se pega como uma franquia nova, mas quando já é algo que tem um nome estabelecido desleixam-se um bocado. Digo isto porque vendo bem, ainda há pouco tempo tivemos nas mãos o Monster Energy Supercross e o jogo apesar de ter as suas falhas era soberbo, cativante, desafiante e deveras interessante no seu modo carreira, mas olhando para MotoGP 18 nenhum destes adjetivos se aplica aqui. Também posso abordar que Supercross é diferente, puxa mais pelo jogador com as manobras, saltos, etc…, mas isso não serve de desculpa em nada para o que ocorre no MotoGP 18. Há uma coisa muito interessante que aprendi a jogar Gran Turismo ao longo dos anos, por mais monótono que uma atividade possa ser, como uma corrida de 10/15/20 voltas ou mais, se o jogo tiver uma boa OST com faixas a tocar durante as corridas, esse sentimento de monotonia desaparece e se calhar por isto posso dizer que este jogo consegue ter dos modos carreira, que até nos deixa criar um corredor, ou modos de torneios ou de Grand Prix, que têm disponíveis as categorias de MotoGP, MotoGP 2, MotoGP 3 e Red Bull MotoGP Rookies Cup, mais aborrecidos que eu já joguei, é que é impressionante, não vejo ninguém nas opções de corrida a meter longevidade de corridas realística de livre vontade, porque vai morrer de aborrecimento no fim do dia.

Verdade seja dita, também hoje em dia no ponto em que se está pouco mais se pode conseguir fazer para diversificar um modo carreira num jogo de simulação, ainda mais quando o mesmo se encontra agarrado a um campeonato/torneio real. Talvez chegue um dia em que teremos mecânicas intuitivas a criar situações imprevisíveis no crescimento da nossa carreira virtual num destes jogos, capaz de criar rivalidades e afinidades dinâmicas com outros corredores, equipas, patrocinadores, e situações de decisão imediata, consequências gerais das nossas ações em corrida, etc…, mas até lá estamos como estamos, e penso que estes jogos deviam tirar algumas notas de jogos como o Gran Turismo quando giram em volta de modalidades que nos poem a correr em circuitos deste género, pista, e não algo off road por exemplo. Neste caso aqui podiam até ter a opção de ter comentadores durante as corridas e que fossem estimulantes, mas não acontece, o pouco que se possa ouvir dentro disto ocorre por breves momentos fora das corridas em si e sente-se genérico até mais não.

Visualmente não há muito a dizer, em comparação novamente com o trabalho da Milestone no Monster Energy Supercross aqui sente-se algo lastimável, ainda mais quando podemos ver os mesmos afirmar no site deles que o MotoGP 18 é um reboot à franquia graças às novas técnicas deles a trabalhar a nível visual e de jogabilidade, até dá para rir quase.

Os modelos das motas e mesmo a qualidade dos circuitos está relativamente boa sim não vou dizer que não, mas se é o melhor que é possível?

Não!

Mas se é o pior longe disso. Posso dizer que aqui neste campo estes jogos e em especial os da Milestone pelo que noto sofrem sempre nos modelos dos corredores ou personagens de fundo, e em especial nos espectadores nas bancadas que são de muito, mas muito baixa qualidade, pensei que já tínhamos avançado para uma fase em que hoje em dia conseguíamos ter qualidade nestes pontos. Os modelos dos corredores quando estão a ser mostrados antes do inicio de uma corrida e os das personagens secundárias são de tão baixa qualidade que por momentos pensei que estava a jogar um jogo da era inicial da PS3, vocês sabem, aqueles jogos que saíram quando a PS3 saiu e que pareciam um misto de qualidade visual entre a PS3 e a PS2, não eram bem jogos ao nível da PS2, mas também não estavam ao nível do que a PS3 deixava. Indo mais aos espectadores é engraçado ver os mesmos a abanar bandeiras, e digo engraçado porque saltam frames nas suas animações, não se vê a animação completa que devia ser e por isso ou estão mal feitas, ou inacabadas, ou estão com algum glitch, ou o jogo está a ter uma quebra a carregar as mesmas. Comparativamente com o que posso ver na net do MotoGP 17 na PS4, posso dizer que houve melhorias gerais de qualidade de modelos das motas e texturas nas pistas, não posso é dizer que seja algo de alta qualidade ao nível do que seria possível fazerem a meu ver, e que apesar de melhores roçam muito as da entrada anterior.

Em termos de jogabilidade se seguirmos afirmações da Milestone este é o melhor MotoGP nesse aspeto, mas se pegarmos no ME Supercross vamos encontrar mais mecânicas e físicas em ação que aqui. Temos como em quase todos os simuladores hoje em dia aquelas opções de assistências que podemos desligar ou ligar, podemos definir a dificuldade da AI e afins, etc…, mas pessoalmente acho que a condução neste jogo não é das melhores que já experimentei ao longo dos anos em outros do género, de longe isso, aqui a Milestone cometeu o erro também de não introduzir as físicas e mecânicas de controlo de peso e posição do corpo do corredor no jogo, tal como fez no ME e tal como a Kylotonn fez pelo que sei no seu TT Isle of Man. Cair da nossa mota não é difícil e a AI não ajuda, os outros corredores controlados pelo CPU conseguem seguir sempre a linha ideal de condução sem falhas nenhumas, ainda mais em dificuldades mais altas, não têm qualquer toque de personalidade e individualidade como seria de esperar e ainda melhor é que levam à frente tudo o que estiver no seu caminho, não têm na sua AI a função de se desviar de obstáculos no seu percurso, imaginem irem em 1º e o corredor que vai atrás de vocês estar a ultrapassar-vos e levar-vos à frente em direção a um acidente, e no qual quem cai são vocês, pronto acabou a corrida ai basicamente.

Os pilotos em cima das motos não se sentem tão fluídos quanto se esperava, a jogabilidade sente-se um pouco datada ao que seria de esperar para um jogo atual, e ainda mais face à qualidade que se viu ser aplicada em alguns dos jogos mais recentes da Milestone ainda por cima com o uso do Unreal Engine 4, até seria de esperar que ao menos marcas de derrapagem das motas em pista ocorressem e ficassem na mesma, que o entrar para a gravilha e voltar à pista se fizesse notar não só em marcas na pista mas nos pneus, que o chover em pista deixa-se poças, não sei esperava mais, muito mais mesmo. De bom penso que posso dizer que o certos corredores terem estilos diferentes de condução na questão de como se apoiam e posicionam em cima das motas em curvas, e a maneira como essas diferenças foram representadas e em como afetam a condução ajudam a dar algum interesse na jogabilidade, e mesmo um sentimento de variedade quando o modelo geral de todos os corredores se sente um copy paste sem fim. Em termos de sons do trabalhar das motas e a desenvolverem, não me parece que estejam bem bem fieis à realidade mas sinceramente dos problemas todos do jogo em si, este é o menor deles todos, já os sons da multidão que se podem ouvir no decorrer das corridas estão algo interessantes, e são bons de se ter enquanto se corre.

Concluindo este jogo é desapontante, ainda mais a quem tenha jogado alguns dos jogos produzidos este ano pela Milestone e que depois pegue neste pois vai notar um downgrade, quem venha do MotoGP 17 pelo que posso apanhar a pesquisar na net não vai sentir grande mudanças, aliás nenhumas praticamente naquilo que realmente importa, a jogabilidade. O multijogador que poderia ser o elemento mais interessante deste jogo é inacessível, sempre que tento entrar dá-me erro de ligação com a PSN, e uma vez lá consegui começar a entrar mas a meio do processo deu erro e tive mesmo de sair do jogo. No fim do dia se esperavam um bom jogo daqui, nem digo fenomenal ou muito bom, mas um bom jogo só, não o vão encontrar e não o recomendo.

+ Sons da multidão durante as corridas consegue ser cativante.

+ Opções de personalização do estilo de condução trazem algum interesse há jogabilidade.

– Podia estar mais avançado nas suas mecânicas e físicas, já estamos a entrar numa fase de jogos neste género em que não ter físicas e mecânicas de peso, e controlo do mesmo dos corredores em cima das motas é quase um crime.

– Visualmente não está com a qualidade que poderia ter conseguido alcançar, ainda mais se olharmos para trabalhos recentes da Milestone com o UE4, vemos claramente que não fizeram mais e melhor por falta de vontade, e não de se conhecimento e capacidade.

– Tempos de carregamento por vezes demorados.

Nota Final – 4/10

Texto By 100porcentotuning.com